terça-feira, julho 17, 2007

Lágrima

Eu quero uma lágrima para cada árvore derrubada. Eu quero que, para essa foz de choro, um raio solar que atravesse o maior buraco da camada de ozônio faça evaporar toda essa água.
A metade que foi para o céu, quero que caia sobre cada ex-árvore, fazendo-as renascer, crescer, e que todos os primeiros chorões se emocionem novamente, para que sempre chova e nasça mais e mais árvores. Quero também que todo o sal decante nos oceanos, e que cada grão caia dentro de uma concha.
Quero que cada uma dessas ostras faça a mais bela pérola de sua vida, e que as marés as levem para as mãos de quem merece - e precisa. Quero que hajam tantas pérolas para que o próximo astronauta que ousar dizer a cor do meu planeta alegue que ele é cintilante como a Lua. Aí saberei que, na verdade, para o meu contentamento , a Terra está tão cheia de vida como o brilho da Lua.
Quanto ao buraco, quero que fique lá. Ao menos servirá de lição. E para a Lua poder ver de camarote o meu sonho.

4 comentários:

Diogo Lyra disse...

Bonito Gus, gostei muito do jogo de idéias no qual a lágrima entra com fecundidade no eterno (se os seres humanos deixarem) ciclo da vida!

Pri Lopes disse...

"Quero que cada uma dessas ostras faça a mais bela pérola de sua vida, e que as marés as levem para as mãos de quem merece - e precisa." Lindo, sensível demais. Queria viver nesse mundo. Tem um som de O Teatro Mágico, que se chama Sonho, não sei se conheces:

"Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Ah, e o mundo é perfeito..."

Abraços, obrigada pelas palavras em meu conto.

Caito disse...

Porra Gustavo, você é bom mesmo!

Alessuza Pires disse...

Muita gente gostaria de ver seus sonhos realizados.
São pensamentos nobres e admiráveis como esses que movem a esperança para que percorra as almas humanas e nos possibilite seguir sempre em frente, esperando e fazendo o melhor.
Infelizmente não é dessa forma que o mundo gira. Mas é necessário ter alguém que nos mostre um pouco de magia quando há realidade demais diante de nós.
Lindo texto!
^.~