segunda-feira, julho 23, 2007

[16 - parte 3] A lei do mais forte

Os fortes sobrevivem e os fracos morrem, comecei a ouvir isso depois dos 12 e comecei a perceber melhor aos 14. O medo de ser fraco, de não derramar lágrimas e de não sofrer.

O último a ser escolhido pro time de futebol. Tudo bem, faltou vontade, mas a cada excluída a chama queimava e se manifestava, a rebeldia pode nascer cedo, uns mostraram como lutar em frente ao portão da escola, na hora da saída, e em casa a defender sua honra acima de tudo.

A raiva passou depois de testes com a própria personalidade. Sim! podemos ser o que quisermos! Receita: foça de vontade e algum sentimento forte para mantê-la, e a força juvenil está cheio deles: a garota da escola, ódio, revolta, amigos, liberdade.

Ser forte. Depois de ouvir Darwin na escola, de que só os mais fortes sobrevivem, a frase tem falhas, pois se fosse assim, nós só viveríamos até a hora do recreio, ou da saída.

3 comentários:

.hi-fi. disse...

p.s.:[tequiniquices] acabo de perceber que se trata do centésimo post do ano!

Gus disse...

ÊEEEEEEEEE

Somos 100!!!

Quanto ao post, eu estou esperando chegar a hora do recreio, porque sou fumante e a hora da saída talvez não chegue.

Caito disse...

O pior é que é verdade, só os mais fortes sobrevivem. E nós sobrevivemos porque somos fortes. Almas fortes. corações fortes. Quanto a iluminação, não creio que eu a tenha encontrado ainda, mas creio que tenha a ver com perceber a força que existe em nós mesmos! ;)
NEm toda força é violencia, nem toda violência é força.
Grande abraço!!!