segunda-feira, maio 28, 2007

Ao vivo

Eu queria escrever muito. Como se diz que um gato comeu a língua quando isso acontece no papel? Acordei às duas da manhã, insônia das brabas, e tudo que eu mais queria era gritar como... Não precisava nem de caps-lock. Queria dizer pras pessoas que sou, pro mundo que vivo, pra vida que ando. Que ando andando...que tenho andado... De preferência para frente. É, isso é o que importa. E conforme pensava em tudo que queria dizer, esvaíam-se os mais preciosos vocábulos.
Para chegar ao segundo parágrafo, apaguei um livro de frases que se desintegravam na metade. Quando estava prestes a concluí-las,... Então comecei a me acalmar. Um brainstorm seria de grande valia, pelo menos poderia ir me descobrindo, aos poucos.
Mais um livro se foi no “backspace” e no “delete”, mas agora minhas pernas já não estão ansiosas, não ranjo os dentes, e também não tenho...boa noite.

Um comentário:

Pri Lopes disse...

Uau, gostei, adorei! E obrigada pelo elogio no "Compassos no outono". Abraços!