segunda-feira, junho 25, 2007

As lágrimas correm
lúgubres pela face.

Os olhos, esgotados,
só enxergam gotas.
A boca mal
sorve a sopa,
a fome é muita,
a fome é pouca.

A rima, pobre ou rica,
é sempre boba.
O poeta, bom ou ruim,
é sempre pouco,
é sempre pobre,
é sempre louco,
é sempre um soco
que dói a mão
do socador.


ca
a
dor
que
não
sem
te
ar
dor.

Soca
com
gozo
peri
goso.

Goza
dor.

4 comentários:

.hi-fi. disse...

...amontoado em sofrimentos e ternuras

Richi Nean disse...

Estava triste,
vagando na web,
quando achei
este blog.

Pensei então
também escrevo,
igual cada um
de vocês.

Porque então,
não podem vocês
visitar meu blog?
igualzinho eu
fiz com vocês?

É muito fácil
de entrar,
é só ir até
http://meninodolho.blogspot.com/

Não esqueçam,
por favor,
de comentar,
até falem mal.

Mas, se quiserem,
falar bem
é melhor.

Richi Nean

Gus disse...

caralho caito! que poema foda! esse entra até dentro das mitocôndrias e a gente pára de fabricar energia

Pri Lopes disse...

Adorei essa avalanche. Muito bem construído e desenvolvido. Meus parabéns, amigo!!!