quinta-feira, agosto 30, 2007

Caito, Cíntia, é Cecília.

Eu tenho um corpo marcado por linhas e veias.

Miro as linhas de minhas mãos, sei que estive no ventre de minha mãe. Portanto eu realmente nasci.

Eu aperto as minhas veias e minha pele fica quase branca, sei que por mim escorre um sangue. Portanto eu realmente estou existindo.

Não sei o que fazer de meu corpo. Disseram-me que tenho uma alma e que é por isso que continuo vivendo.

Queria ser só alma, mas sou a cicatriz até meu último instante. Eu sou Cecília.

Sou doente de vida e de morte. Quebro espelhos, bastam meus olhos.

Qualificaram-me, acham que sei existir vivendo. Não sei lidar com meu corpo almado.

Designaram-me Cecília.

Acabei de acordar, será que estou morrendo? Não sei onde pousar minha mais fina pele, meus lábios seguram minha alma. É tanta finura.

3 comentários:

hans_msm disse...

lindo.
gostei do "corpo almado"!

Cíntia Costa disse...

Agora sim. Dignidade, menina. Até no desabafo.
:)

Caito disse...

Eu só posso agradecer. Valeu mesmo.