sexta-feira, fevereiro 10, 2006

“Isso é Serra!”

Feriado da Independência. Rua Augusta. Frio.

Na famosa rua das profissionais do sexo, próximo ao Espaço Unibanco, um aglomerado de policiais e civis atrapalha o trânsito e chama a atenção de mais curiosos, que misturam-se à fila do cinema ao lado. Os “gambés” confiscam mercadorias de camelôs, dentre os quais, um vendedor de livros. Este expõe sua indignação exclamando para os transeuntes:
- “Eu vendo livros! Livro é cultura! Por que eles não vão prender os bandidos?”
Uma moça, na sacada de seu apartamento, em frente ao auê, complementa:
- “Por isso o Brasil não vai para frente!”
Todas as atenções voltam-se para ela, que continua discursando sobre a incoerência daquele confisco em detrimento da caçada aos assassinos, seqüestradores e outras categorias semelhantes.- “O cara aí é trabalhador! Ele vende cultura!”

Ela dá um trago em seu cigarro, solta a fumaça, enche o pulmão de oxigênio e conclui apontando para a muvuca:
- “Isso é Serra!”.

2 comentários:

Punk Canibal disse...

Pelo jeito o Vampiro Brasileiro está colecionando inimigos entre os roqueiros, alternativos e defensores dos pobres e oprimidos de São Paulo. Expulsando os sem-teto, os livreiros, os roqueiros e até os góticos! Dizem que depois da Galeria do Rock o novo alvo do vampiro é o Madame Satã. Mas é bom ele tomar cuidado com esse lugar em particular, porque na época em que eu ia lá era possível encontrar gente tão vampiresca quanto ele...
_Não sabia que você era chegado nessas viadagens de blog, Marcão!

Marcos disse...

Canibal, você deixou um comentário para a Thaís...vide a assinatura!

E essa coisa do Serra já é afronta pessoal a cada paulistano, ele está fazendo muuuita bobagem...

Que fazer é que eu não sei...