terça-feira, dezembro 11, 2007

Sobre peso e leveza

Às vezes, de tempos em tempos, é preciso tirar a alma do corpo, puxando-a cuidadosamente, com a ponta do polegar e do indicador juntas.

Quando se absorve demais o mundo, a alma é inundada pelo desvario inerente a este. Acaba encharcada, pesada. Quase um fardo, com quilos e quilos de angústias, amores, tristezas e toda sorte de sentimentos humanos.

Então, para não ficar doente, o indivíduo precisa pegar sua alma, esticá-la e prendê-la no varal. E assim ela permanecerá, leve, sendo apenas acariciada por uma brisa descomprometida e preguiçosa. Para que seque e volte a ser como antes.

8 comentários:

Lunna Montez'zinny disse...

Em algum momento nos implora por silencio. Excelente esse texto, uma visão bem interessante sobre o nosso cotidiano.
Abraços

.hi-fi. disse...

nos desafogamos
sacudimos a poeira escura
pegamos o tempo
cicatrizes novas
e não somos mais os mesmos.
nosso brilho, porém, prevalece e ganha ainda mais liberdade para ascender

Linguanoto disse...

Bela reflexão, José. A alma é lavada, esticada e posta no varal até o momento em que o tecido se desfaz. O que compõe as nossas fibras?

Abraços do Linguanoto

Cíntia Costa disse...

Sim!

Gus disse...

Chamo de lavagem cerebral

Priscila Lopes disse...

Bem interessante, Zé. Delicado e bem escrito.

Camila Ferreira disse...

Oi
Você é do grupo "Coisa linda..."?
Gostaria que me desse um toque sempre quando vocês se apresentarem. Pode ser? Você entrou no meu blog esses dias e disse que eu poderia fazer isso, então, não negue. Rsrs...
Meu e-mail: camilamendoca@bol.com.br

Beijocas

* hemisfério norte disse...

Era de ouvir isto q eu precisava....
Vem aí uma época q tanto gosto e tenho minha alma tão pesada.
Muito lindo o q vc escreveu.
Parabéns!
bj
a.