terça-feira, novembro 13, 2007

ambígua idade

Ainda que eu escrevesse um poema por dia
ao longo do ano
não escreveria tanto quanto hoje
que me sinto triste
e sem vontade de escrever.

5 comentários:

Ju disse...

escrevia o poema escrevia
e muito maior se tornava
a palavra

e Tereza a varrer

no final do dia,
ao mãos nem se abriam

doídas, dormiram as duas
o avesso do sonho e avesso desse avesso
eram a mesma jovem-idosa

ambigua idade
escrevia a poeira escrevia

varria o poema varria

.hi-fi. disse...

borrar o papel em dias em que palavras condesam lágrimas

Priscila Lopes disse...

Obrigada.

Caito disse...

Sempre a mesma mania! rs . Só posso parabenizar as duas. Essa troca tá sendo produtiva pra caramba!

Rodolfo disse...

Sempre a palavra, o tempo e, as oscilações do clima, (interno e/ou externo)...
Eterna idade, esta, em que nada fica como está e, nisto, é constante.
Escrever é uma contingência...