terça-feira, abril 08, 2008

De uma catraca a outra #9 - Eles não sabem andar de metrô! [parte 1]

Wilson gosta do metrô, pode ir a qualquer lugar que precisa - colégio, cultura, balada, visitar amigos. O que o deixa estressado são as pessoas que não sabem andar de metrô: 'Putz, esse fdp ainda não aprendeu a pegar metrô, sai da frente da porta pô.' - indagava consigo.

Depois que começou a trabalhar e estudar, teve que pegar mais metrô, e nos piores horários. O que o faz xingar 9 pessoas por viagem, as outras 9 que ocupam o mesmo m² que o seu no vagão. Dia desses, cansado da rotina, e da tanta gente que não sabe pegar metrô começou a enumerar mentalmente as regras básicas, mesmo não gostando de regras, começando pelas do sistema educacional do metrô:
1) Levar bolsas e mochilas na frente do corpo.
2) Utilizar os corredores dos trens.
3) Não permanecer junto a porta durante a viagem.
4) Respeitar os assentos de cor cinza.
5) Não correr nas escadas.
6) Não comprar nem das esmolas no interior dos trens.

E em seguida as suas próprias:
7) Não se escorar nas barras: impedindo que as pessoas se segurem
8) Ocupar sempre do centro do corredor pra porta, independente da quantidade de pessoas no vagão.
9) Abrir as janelas antes de se sentar
10) Segurar bolsas, sacolas, mochilas volumosas de quem está de pé
11) Não carregar malas em horários de pico
12) Entrar em fila nos trens, sem empurrar

Tudo pra voltarmos a ter um transporte civilizado, pra não sermos mais transportados como animais.

Segunda-feira, manhã pra jornada de trabalho, o que pra Wilson, deveria se chamar tripla-jornada - metrô-trabalho-metrô. Como não consegue pegar o metrô na estação Guilhermina-Esperança, sai 5min mais cedo pra voltar à estação Corinthians-Itaquera e conseguir entrar em algum dos vagões. Já devidamente posicionado no meio do corredor, se segurando na barra entre as duas cadeiras observa a entrada na estação Itaquera:
- Vai! Vai! - alguns diziam.
- Credo! Deus do céu! - aclamavam outros.
e muitos estalados de 'tsc'.

Um dos que embarcaram se posicionou a uma pessoa de distância de Wilson, pela simplicidade, algum desses trabalhadores como ele mesmo e tantos outros no vagão, carregando a mochila nas mãos, o trem começou a andar, deixou a mochila no chão e abriu a janela a sua frente sem encostar nos que estavam sentados. Esperanças renovadas - existem alguns especialistas em pegar metrô. Só não pergunte a Wilson, se eles podem salvar o metrô.

2 comentários:

Caito disse...

andar de metrô é realmente um arte!

Abraço!

Marcos disse...

Hi-fi, acho que começo a gostar - entender (d)as coisas que você escreve. Cada vez mais.
Importante essa coisa de escrever sobre os homens e sua relação com os elementos urbanos. Legal mesmo.
E essa história de ir colocando capítulos, é legal também, cria uma identidade entre quem lê, o blog e a rua. Esses dias peguei o metrô também e lembrei de umas passagens suas...Legal mesmo, muito bom...