segunda-feira, janeiro 09, 2006

Sobre o poeta

Em meus poemas cada palavra é um parto,
partindo em pedaços o meu coração.

E os meus diversos versos
nem são tão controversos!
ocupam na folha o verso
e acabam sendo o inverso
do que eram para ser

Minha cabeça está constipada
É preciso drena-la
Não sei o que fazer

Não escrevo porque gosto
ou porque acho que sou bom nisso;
Escrevo porque preciso escrever.

Sim, é verdade:
Eu não sei fazer poesia.

Mas eu tento.

2 comentários:

Robson Assis disse...

E aí, Caio!!!!! Cara, quanto tempo, quanto tempo mesmo. Cacete, li e reli o blog inteiro, duas vezes aquele post sobre o Fernando Pessoa e acabei lembrando do dia em que você aplaudiu de pé a leitura de "O Guardador de Rebanhos", ao que todos os TLCistas (calados e imbecis como eu fui) discordaram. Ainda sou calado e imbecil, mas ao menos saí da Igreja.

O foda é saber hoje como somos podados a pensar coisas determinadas e iguais. Mas enfim, o filósofo aqui é você, rapaz!

Cara, uma saudade da porra mesmo. De todos os tempos... Bororé, Bebedeiras na Casa do Alan e Futebol no Taperão.

Um abraço, velho,
O Blog tá muito bom!

Robas, que ficou feliz pra caralho com o comentário que vc deixou no blog, hehehehh

João Luis disse...

E aí Caito... está melhorando nos poemas hein? sei não, mas qualquer dia eu me aventuro neste universo de blogueiros... quem sabe? É uma idéia que está me atraindo muito ultimamente... meus dedos estão coçando, e só consigo extravasar minha criatividade em comentários soltos no orkut e piadas ácidas no MSn... preciso REALMENTE de um blog para me soltar...heheheh.

Pelo menos é o que parece que acontece com vc... e bem, muito bem escrito esse blog. Meus parabéns!!!