quarta-feira, outubro 24, 2007

a miséria do mundo ou

a minha?

qual será Maior?

i

a desgraça do mundo ou

a minha?


a beleza do mundo...

e a minha?


a vida caminha

vida canina!

vida vitalina

vida vítrea!

vida vigarista

a vida caminha

i

e eu...

durmo

cozinho

escrevo

fumo

durmo...

(repita essa estrofe algumas vezes, podendo passar do último “durmo” direto pro “cozinho”)

i

e o mundo expodindo!

a vida vivendo, correndo, rugindo e eu...

dormindo, comendo, escrevendo, fumando, dormindo

enquanto há sono

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiicomida

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiicabeça

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiicigarro

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiestômago

estômago? às vezes é preciso estômago para

iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiia dor me ser

i

a vida vivendo e eu dentro de mim,

repetindo (me)

i

a vida vivendo

a vida vidando

a vida vidrando

a vida vigando

e eu aqui

procurando poesia

i

mas poesia é vida e a vida esta lá fora
i

4 comentários:

Priscila Lopes disse...

Amigo, adoro lê-lo. Estás indo depressa, daqui a pouco eu é que não te alcanço.

Muito bom, o poema.

Parabéns pelo dedicado na antologia. Recebi ontem. Aquela coisa "breguinha" me emocionou.

Fora isso, o teu, o meu, o da Aline Gallina, um ou outro... o resto, que vergonha.

Mas continue participando das seletivas, é currículo.

Saudade de teclar com você.

Abraços!

Cíntia Costa disse...

Tem nada lá fora... é só ilusão de ótica.

Edson Marques disse...

"vida vitalina": belíssimo poema!

Minha bisavó chamava-se Vitalina.

Escrevi sobre ela no post do dia 25/10/07. Quando puder, dê uma olhada.

Abraços, flores, estrelas..

SAMANTHA ABREU disse...

cara!
que coisa boa!

adoro essa brincadeira com as palavras...

acho até que já disse isso!
Adorei!


ps: Veja, hoje, "A criação" no FALÓPIO: http://versosdefalopio.blogspot.com/

beijos!