quarta-feira, janeiro 23, 2008

tumtictumtactumtictumtac

bate tanto
o meu coração
que trinca toda
a minha costela

trinca tanto
que desanda todo
o meu tecido

transporto um pincel
goela abaixo

pincelo sem cor,
abrando o meu coração.

tum...tic...tum...tac

5 comentários:

B. disse...

Bonito de água. Sincero de alma.

Priscila Lopes disse...

E o tempo passa arrastado como o pincel na tela em branco: deixa marcas.

Melancólico; dolorosamente bom.

Marcos disse...

E a cor e refaz entre o seio e o pincel alheio...é leve e não é.

Caito disse...

Que bata tanto
que trinque o pote
e eu possa ve-lo,
(coração) liberto.

Caito disse...

vê-lo!